Follow by Email

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Obama 2 - A Missão






  Após um intenso processo eleitoral (e muitas vezes desleal, de ambas as partes), Barack Obama foi reeleito presidente dos EUA. Mas qual o saldo disso?






  O declínio americano nos últimos anos foi evidente, começando com George Bush, que recrudesceu as relações com o resto do planeta, fazendo com que 10 entre 10 pessoas do mundo odiassem a nação do Tio Sam. Com Obama essa decadência continuou, mais em função de sua falta de tino no campo geopolítico. Carisma ele tem, mas isso é insuficiente para lidar com situações espinhosas, como o imbróglio Israel/Irã.



  Somado a isso, se junta uma promessa não cumprida aqui, outra acolá, e temos um presidente que só conseguiu sua ‘vitória’ com muito custo, e graças também ao fato de eu o adversário o ajudou inúmeras vezes, com suas bravatas, seus comentários inconvenientes e sua falta de visão pra enxergar uma eleição presidencial como ela realmente é: uma propaganda de marketing. A de Obama foi mais eficiente.

  Claro que, se analisarmos as duas opções, Barack Obama era, o que se convencionou dizer, a opção “menos pior”. Não só porque a esta altura do campeonato, o continuísmo seria melhor para os americanos, como também no caso envolvendo o Irã, o presidente reeleito tem mais chances de segurar Israel em uma posição de ‘aguardo’. Com Romney, a ação militar israelense seria inevitável e, conseguinte, catastrófica para o planeta.





    O problema é que o continuísmo será uma demonstração de que o presidente vai patinar no velho “mais do mesmo”. Todas as suas promessas de primeiro mandato foram rasgadas ou mutiladas para poder agradar o establishment; afinal, é o sistema quem manda.  E ser “o cara” não o fez mais competente, apenas mais palatável ao sistema.

Ele é “o cara”, que ganhou o prêmio Nobel da Paz, mas enquanto mantinha duas guerras monstruosas, que vitimava milhares de civis. Ele é “o cara” que representava mudança em 2008, e hoje é o exemplo maior de continuidade. Ele é “o cara” que representou um ideário de mudança em um país racista, que elegia um presidente negro, mas se esqueceu, tanto dos afro descendente quanto dos hispânicos. Ele é “o cara” e alegou que seus homens de inteligência mataram Osama Bin Laden, quando foi revelado mais tarde que o terrorista havia morrido anos antes e os EUA se apoderaram do corpo para cacifar em cima de sua morte. Esse é o tal “cara”.




  E esse é o problema de uma eleição cujo bipartidarismo prevalece: poucas opções e praticamente, sem chances de renovação.

  Barack Obama ganhou a eleição no Colégio Eleitoral, mas quase perdeu no voto popular. Isso em si, é uma estrondosa derrota e, acima de tudo, um sinal claro que sua reeleição foi mais fruto de uma propaganda eficiente em lugares chaves, do que por suas promessas e por suas obras, projetos realizados no primeiro mandato. Que ele tenha mais sensibilidade para dirigir um país decadente, no âmbito geopolítico, problemático (no que tange a economia e a geração de empregos). Todas estas coisas são preocupantes pois ele não soube como resolver, e ainda sim era a “melhor opção” para os americanos. Imagine então como seria a outra opção...





  
EM TEMPO

 A cobertura das eleições americanas na TV a cabo foi risível. Na Globonews era patética a intermediação de uma insegura Mariana Godói (como foi que ela se tornou ‘âncora’?),gaguejando,berrando para tentar ser ouvida pelos colegas de programa. Um Merval Pereira e um Demétrio Magnoli no ápice do politicamente correto. Pra piorar,ainda contaram com os superados integrantes do programa ultraconservador de direita e cheirando a mofo Manhattan Connection,que ainda tinha o sempre pseudo jornalista Diogo Mainardi,torcendo por Mitt Romney. Provavelmente para chamar a atenção. Pessoas com necessidade extrema de auto afirmação fazem isso com frequência. Depois que as pessoas criticam os jornalistinhas eles caem matando nos blogs,os chamando desocialistas. Se ser socialista é querer que a Globo e seu império comecem a declinar, então que viva a revolução!!






























Nenhum comentário:

Postar um comentário