Follow by Email

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Como Marcial Maciel Subornou o Vaticano





Em seu livro "As finanças secretas da Igreja" , em breve em circulação, o jornalista norte-americano Jason Berry detalhando como Maciel gastou milhões em presentes e brindes para os líderes da igreja, começando com o Papa João Paulo II. Assim, o fundador dos Legionários de Cristo, poder acumulado de reforçar a sua ordem, enquanto protege a sair das acusações apresentadas contra ele por pedofilia, e,
 finalmente, no domínio público.

CIDADE DO MÉXICO (Process) -. o padre Marcial Maciel, fundador dos Legionários de Cristo, gastou muito dinheiro para comprar favores de altos funcionários do Vaticano, incluindo o Papa João Paulo II, e para evitar que os tribunais eclesiásticos considerarem por seu abuso sexual de menores.







Em 1995, por exemplo, Maciel deu um milhão de dólares a João Paulo II, que também veio para oficiar-privadas Missas na capela do Palácio Apostólico para os amigos ricos-Maciel que usaram para recompensar o pontífice com doações de até 50 000 de dólares em dinheiro.

Vendo o enorme poder que Maciel teve durante o pontificado de Wojtyla, agora Papa Bento XVI, então Congregaciónparala Doctrinadela Fe carga Dela, dizendo que era "prudente" para investigar seus atos de pedofilia, que até então eram conhecidos em todo o mundo.

Uma análise detalhada desses "presentes"-ou "propinas", de acordo com alguns, que entregou Maciel no Vaticano dá ao pesquisador EUA Jason Berry, em seu livro O Segredo das finanças da igreja , que irá circular Debate Editorial no México nos próximos dias.

No capítulo "O padre Maciel, senhor da prosperidade", o sacerdote levanta Michoacan "queria comprar", então ele passou em Roma "grandes somas de dinheiro para isolar-se da justiça", mas também para obter a aprovação Vaticano para centros de formação que se abriam os Legionários de Cristo em diferentes países.

Adicione o livro que o Cardeal Angelo Sodano, então secretário de Estado vaticano, foi "muito perto" de Maciel, no entanto, a sua "defesa mais importante" foi definitivamente "o Papa João Paulo II".

E conta a seguinte história que demonstra a proximidade entre Maciel e Wojtyla, que durou durante todo o seu pontificado:

"Em janeiro de 1979, em sua primeira viagem como pontífice, João Paulo visitou o México. Maciel estava sentado no avião com ele, como uma recompensa para o trabalho extensivo avançado. Graças a um sacerdote legionário missa para a primeira-dama, o presidente López Portillo decidiu receber João Paulo no aeroporto ... Seis meses depois de João Paulo mostrou o seu apreço com uma visita aos Legionários de Roma. "

Maciel enviou dinheiro a João Paulo II. O livro refere-se a uma dessas entregas:

"Em 1995, de acordo com ex-membros da Legião Dela, Maciel Papa João Paulo enviou um milhão de dólares por meio de monsenhor Stanislaw Dziwisz, quando o papa viajou para a Polônia. Como secretário papal, Dziwisz, natural da Polônia, foi durante décadas o homem mais próximo de João Paulo. Gerir o dinheiro era parte de seu trabalho. "

O secretário do Papa, continua o livro também foi responsável por recebimento de doações de famílias ricas para que Maciel levou a missas privadas do papa, realizada na capela do Palácio Apostólico, com capacidade para 40 pessoas e decorado com frescos Michelangelo, especificamente com a conversão de Saulo e da Crucificação de São Pedro .

Maciel amigos ricos "usadas para encontrar o Papa de joelhos, em oração profunda, com os olhos fechados, quase em transe, esquecendo-se que entrou na capela ... para os leigos foi uma experiência maravilhosa espiritual".

O livro contém o testemunho de um ex-padre que participou do legionário estas missas exclusivo e que revela: ". Acompanhei uma família rica do México em uma missa privada eo fim da família que deu Dziwisz $ 50.000"

Favores mútuos

O secretário papal tinha "aparições freqüentes" com parentes de Maciel, para que ele também receberam doações que foram "sempre em dinheiro vivo" e os dólares, porque "teria tomado notas também lira".

Adicione o livro: "Em 1998, Maciel foi tudo para fora da janela para oferecer uma grande festa em honra de Dziwisz, durante a sua proclamação como bispo, e incluiu a música mariachi festiva tocada por uma pequena orquestra de legionários.

Não só o Papa e seu secretário recebeu dinheiro, também porque "os cardeais e bispos que diziam missa para os legionários recebido pagamentos de 2000 e US $ 500, de acordo com a importância do evento."




"¿Se trataba de donativos o de sobornos? En el libro se hace esta pregunta. Algunos exsacerdotes legionarios responden que se trataba de “una forma elegante de dar un soborno”. Otros, en cambio, señalan que era opere de charittá (obra de caridad), ya quela Iglesia bien pudo destinar ese dinero para ayudar a los pobres y necesitados, cosa que no se sabe a ciencia cierta dada la opacidad de las finanzas vaticanas.

Pero Maciel –se dice en el texto– también era muy dado a hacer costosos regalos en especie a los jerarcas vaticanos o a agasajarlos con fiestas y comilonas que no podían ser obras de caridad y cuya intención era conseguir favores a cambio.

Plagada de estos favores mutuos fue la relación de Maciel con Angelo Sodano, desde que éste era nuncio apostólico en Chile durante la dictadura de Augusto Pinochet, a la que apoyaba. Con el fin de “neutralizar a los defensores de la Teología de la Liberación que militaban en la izquierda”, Sodano impulsó en Chile las obras que realizaban los Legionarios de Cristo y que imponían “el estilo católico de la teología de la prosperidad, la lealtad papal y el capitalismo del mercado libre”.

A partir de entonces Maciel supo corresponder estos favores: “Puso al padre Raymond Cosgrave, un legionario irlandés, a disposición de Sodano prácticamente como ayuda de campo en la nunciatura de Santiago. En 1989, en el escalafón para ser nombrado secretario de Estado, Sodano tomó clases de inglés en Irlanda en el colegio dela Legión.Fuede vacaciones a una casa de recreo de la Legión en Sorrento”.


(Extraído do texto que se publica esta semana na revista Proceso 1879, já em circulação)




LINK ORIGINAL DO LIVRO AQUI




2 comentários:

  1. Olá Marcelo!
    Tanto com os políticos quanto com os pontífices, as "doações" são sempre um ponto muito crítico...Quando um partido político, assim como uma igreja, ambas instituições sem fins lucrativos, possuem pompa e luxo muito acentuados, é lógico que essas doações merecem o benefício da suspeita! Essa troca de gentilezas entre capital e essas duas instituições vem se proliferando durante séculos e séculos, perpetuando o poder do dinheiro sobre o plano espiritual e político!
    abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E usando argumentos que eles entendem "Dê de graça o que de graça conseguiste", ou "A César o que é de César..." Pena que eles não entenderam bem o espírito da coisa. Um abraço.

      Excluir