Follow by Email

domingo, 26 de maio de 2013

O Eterno Ódio do Povo Hebreu Contra o Mundo




Agradecimentos à Stefano Barbosa e Thelma Annes de Araujo pelas dicas, cujo as postagens originaram o texto.



Se levarmos em conta o que diz a Bíblia, percebemos que ao mostrar a hipocrisia dos judeus e tentar contestar o sistema vigente à época, Jesus foi condenado tanto por Roma, quanto pelo Sinédrio (o Vaticano do povo hebreu).

Sempre colocando os hipócritas em seus devidos lugares ("vocês são como um sepulcro caiado, bonitos por fora, mas cheio de ossos podres por dentro"), Cristo sabia que mexia em vespeiro desde o início. Mas entendia que para libertar as pessoas de suas cegueiras é necessário sacrifício. Mesmo que fosse para ser abatido como um animal por quem ele condenava.


Juntos, romanos e judeus (nem todos, sempre houve exceções) conseguiram sub-julgar um ser humano admirável, que os lembrava constantemente de quão pequenos eram, ao chafurdar em lodo e podridão.

O assassinato nunca foi esquecido ou perdoado pelos ditos cristãos, que viam culpa maior nos descendentes de Davi, mais do que em Pôncio Pilatos. Tanto que é verdade, que até meados dos anos 60, era comum nas igrejas católicas a reza em latim, condenando os judeus e clamando por suas conversões. O Concílio Vaticano II, que durou de 1962 à  1965, mudou isso.

Aparentemente não parou por aí. A comunidade judaica, ao redor do mundo tenta ser discreta, mas em Israel, onde se pode matar a qualquer um que contrarie o sistema nazi-fascista vigente no país, as coisas sempre saem do controle. Há uma sensação de liberdade incontida por parte dos israelenses, nas terras roubadas do povo árabe, que eles não teriam em lugar algum no mundo.

Nos vídeos abaixo as coisas parecem recrudescer:




A "comediante" (desprovida de talento e inteligência) judia Sara Silverman que disse no vídeo: "Espero que os judeus tenham mesmo matado Jesus, eu o mataria de novo e novo, porra"...





Do programa da TV israelense "Toffee VeHa-Gorillah". Profundamente ofensivo e apelativo. Perceba que em dado momento a "apresentadora" (vestida apenas com um biquíni) chama Jesus de nazista e diz que ele perseguia os "inocentes judeus". Pergunto-me se isso ficaria impune se um muçulmano fizesse tal alusão ao Messias cristão...Mas uma crítica ferrenha contra esses atos nojentos é automaticamente rotulada de "antissemita", palavra sempre usada como forma de vitimização, e que esconde as sorrateiras intenções de seres humanos perdidos no tempo, e em sua ausência de caráter.

Há muito tempo as pessoas se perguntam por que não há paz no Oriente Médio, ou a razão de haver tanta intolerância com os israelenses ou a comunidade judaica ao redor do mundo. Mas quando vemos o holocausto palestino acontecendo embaixo do nariz da comunidade internacional (e da ONU) ou as constantes provocações às religiões cristãs e muçulmanas, e o permanente desdém com o mundo, fica mais fácil entender qual é a nação desagregadora e o povo que mais instiga a secessão entre seres humanos.




Leia também:

O Revisionismo do Holocausto

POR QUE HÁ TÃO POUCAS EVIDÊNCIAS HISTÓRICAS DO ÊXODO?





3 comentários:

  1. Irmão, cuidado com suas palavras, a busca pela paz não deve ser proferidas junta a denúncias, as coisas que você fala todo mundo já está cansado de saber, mas sabemos também que não podemos colocar capacetes azuis em um país tão poderoso como Israel, a paz neste caso terá que ser cultivada, e nossos irmãos judeus terão que ter seus olhos abertos, por nós, cristãos, a cruzada de hoje é diferente, não pegaremos em espadas, mas sim levaremos o amor, para que nossos irmãos, judeus e mulçumanos, vivam em paz, e passem a coabitar. Não cultive o mal, denúncias abertas só trazem a versão do inimigo, ame seu irmão e só.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem, se me permite, antes de falarmos em paz quando alguém tenta bater na nossa cabeça com um porrete, temos que tirar o porrete da mão dele, porque não vou falar de paz pra um cidadão que está pouco se lixando com isso, enquanto bate na minha cabeça e se delicia vendo meu sangue escorrer pelo rosto. O que não entendo é que como podemos cultivar a paz com medo de ameaças...Eu não dou a outra face...pois isso seria um idiotice...ademais que, historicamente, nem Judeus, nem Cristãos, nem Muçulmanos usaram a paz ou ofereceram a outra face pra pregar sua doutrina...isso nunca funcionou...todo mundo sabe o que? Sobre o conteúdo do post? Eu não conhecia o conteúdo do vídeos, tenho certeza que você não os viu...falando de paz, não sei se você percebeu, seu comentário soa mais ameaçador que o conteúdo da matéria...Ou pelo menos tenta, através de uma suposta "paz" ou "amor" , censurar esse post, que sinceramente, me atemoriza mais que um conto de fadas feito pra assustar uma criança de colo...
      abraços amigo e siga em paz!

      Excluir
    2. Primeiro, muita hombridade de alguém que se pressupõe um crítico do texto, sequer se identificar. "Unkown" é por deveras covarde pro meu gosto. Segundo, vc usou a expressão "nossos irmãos judeus"...Bom, primeiro, não tenho irmãos; e se os tivesse, dificilmente seria um israelense. Como eu detesto genocídio, não poderia ter alguém na minha família que fomenta ódio contra os muçulmanos e se alimenta do sangue e terra dos palestinos. Isso é muito "Hitleriano" pro meu gosto. E por último. Como o meu amigo Marcos disse, o conteúdo do vídeo é para denunciar a visão tacanha e limitada de muitos judeus. Se vc, meu caro desconhecido, acompanhou os vídeos do Youtube, a atriz americana, judia de batismo, diz coisas profundamente provocativas. Imagine um muçulmano dizendo aquilo de Jesus! O mundo cristão cairia na cabeça deles. Agradeço o comentário no blog, mas se permite um conselho, quando for comentar, primeiro acione a chave de "ON" do cérebro. Garanto que vc terá menos problemas da próxima vez.

      Excluir