Follow by Email

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

A Degradação das Artes Marciais





  Há séculos os orientais vêm buscando formas de entender seu corpo, adequar sua evolução espiritual ao dia-a-dia e aprender com a natureza. Muitas filosofias oriundas da China, Japão e Índia se encaixam nesse perfil. Tai Chi Chuan, Aikidô, Ninjutsu e o Kendô são alguns dos exemplos. Artes forjadas na experiência adquirida ao longo de anos de observação, na necessidade de preservação dos clãs e na busca por um “eu” harmonioso. 




  Com o passar do tempo, algumas pessoas viram nos movimentos diferenciados,nos gestos que primavam pela plástica perfeita e agilidade fora do comum  uma maneira de sobrepujar o inimigo. Entrar em contenda contra ele e ir à guerra, se preciso. Daí, “arte marcial”. O próprio Samurai, tão distinto em sua honra, nada mais era do que um serviçal do imperador japonês, sub-julgando outrem a favor do  sistema. Fazendo uso da força e, sobretudo, de sua habilidade com a espada, para fazer valer os desígnios do poder constituído.

  Outras modalidades (aí já não se pode chamá-las de ‘arte’) surgiram e foram aos poucos mescladas e modificadas, fazendo com que o senso de honra e respeito fossem, gradativamente, perdidos.






  Criaram-se torneios, competições e todo o tipo de ‘confronto oficial’ para que houvesse mais competitividade (através da combatividade). Como que se houvesse algum mérito em conquistar uma graduação ao agredir um colega que também busca evolução. A degradação chegou ao ponto de se criar torneios  para ver qual arte marcial (aí, sem a ‘arte’) era melhor do que a outra.

  Nesse quesito, ninguém foi tão bem sucedido em desmoralizar as filosofias orientais, quanto Hélio Gracie.




  Praticante do Jiu-Jítsu japonês e idealizador do Jiu-Jitsu brasileiro, ele mesmo um lutador desde a década de 30, Gracie optou por mudar, a bel prazer, o original, colocando movimentos e golpes idealizados por ele, tornando a luta ainda mais agressiva e violenta. Não satisfeito, resolveu criar um torneio onde houvesse como provar que o que ele praticava era superior a qualquer outra modalidade: o Vale-Tudo. Sua insegurança aflorava ao ponto de ter que provar alguma coisa. A antítese da verdadeira filosofia oriental, que visava evolução e respeito ao próximo.

  Com seu filho Royce se tornando sucesso absoluto nas primeiras edições da competição, seu ego não tinha mais limites.  A partir daí, todos os outros filhos (e mais uma infinidade de parentes) acabaram participando da empreitada.


Leia também :

Confissões de um Policial Brasileiro



  A decadência moral veio com a oficialização do torneio, se tornando algo mais amplo e rentável.  Surgia o Ultimate Fighting Championship, vulgo UFC.






  A peleja atrai um número alto de fãs mundo afora, ensandecidos com tamanha selvageria. A mídia se rendeu a perversão das tradições do Oriente e resolveu dar cobertura ampla às edições do torneio e parcela significativa da sociedade brasileira começou a tratar alguns competidores como “heróis”, acredite se quiser.

  Algumas pessoas não captaram a essência das filosofias orientais. Preferem assistir a um banho de sangue em uma rinha humana, do que enaltecer as coisas certas que harmonizam e equilibram a mente.




  Excrescências como UFC,  Vale Tudo e adjacentes fazem com que as pessoas de mente tacanha, facilmente impressionáveis e com distúrbios emocionais a levarem para o dia-a-dia os exemplos aprendidos no tatame ou no octógono. Começam a se sentir valentes, imbatíveis, imortais. Donos de uma liberdade ilimitada. Sentem que são capazes de qualquer coisa. Quando na verdade as lutas praticadas apenas mascaram suas verdadeiras faces : inseguros, com autoestima  em baixa e com disfunções das mais variadas.
 Se esse é o caminho que o ser humano escolheu, em detrimento à evolução, então pode parar na próxima estação.




5 comentários:

  1. Realmente o ser humano consegue deturpar tudo. As artes marciais são um exemplo claro de como o sistema , o dinheiro acaba destruindo a essência de uma filosofia. Com o cristianismo vejam não foi diferente. Hoje usam as idéias de Cristo para fazerem fortunas, construírem grandes templos.
    As artes marciais em sua essência é algo maravilhoso. Um exemplo de como o ser humano pode evoluir, corpo, mente e espírito, mas infelizmente estamos regredindo, dando asas a nossa agressividade. Infelizmente enquanto tivermos como modelo esse sistema baseado no lucro, na competição, na agressividade, na celebrização, no poder do mais forte, jamais chegaremos a algum lugar!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Celso. Muitos preferem se perder em algo que deprecia o ser humano, ao invés de perseverar em uma filosofia oriental que possibilite melhoras, que se torne uma ferramenta importante para que alguém evolua. Um abraço.

      Excluir
  2. Rapaz esse UFC, Vale Tudo e outras porcarias me dão vergonha!Pior que isso está sendo passado as crianças pela mídia como positivo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo Ronaldo. E o pior é que a mídia propaga isso e proclama os lutadores como heróis do esporte brasileiro. Mais mal exemplo, não há. Um abraço.

      Excluir
  3. Prezado sr. Marcello,
    É com satisfação que leio vosso artigo,
    e com sentimentos opostos, misto de asco e horror
    que presencio a destruição dos valores milenares das artes marciais. O que mais me irrita é o amplo apoio
    da mídia a essa bestialidade toda. E ainda elogiam o
    marginal que começou tudo isso pervertendo o Jiu-Jitsu.

    ResponderExcluir