Follow by Email

terça-feira, 16 de outubro de 2012

OUTUBRO DE 1996






Faz ideia do que é ter a oportunidade de crescer ouvindo uma banda única? Com composições maravilhosas, politizadas, conscientes e inspiradoras? Bom, eu tive a chance. Renato Russo e Cia, a Legião Urbana. Ao ouvir “Será”, do primeiro disco, cheguei a pensar que era o Jerry Adriani (da Jovem Guarda) quem estava cantando. O timbre sempre foi parecido. Ledo engano. E com o decorrer da carreira do grupo,outras composições vieram,e com elas a  agradável surpresa de presenciar uma trajetória fantástica. Ouvi a primeira música socialista (“Fábrica”), minha primeira música introspectiva (“Tempo Perdido”), uma das primeiras românticas sem ser piegas (“Por enquanto”), politizada (“Conexão Amazônica”) e tantas maravilhas (“Metal contra as Nuvens”, “Perfeição”, “Teatro dos Vampiros”, “Que País é Esse?” e tantas outras). E conheci “o cara” por trás das composições que me fascinaram: Renato Russo.




Sua primeira banda foi o Aborto Elétrico,com os irmãos Felipe e Flavio Lemos. O grupo durou quatro anos, de 1978 a 1982, terminando por brigas entre Fê e Renato. O Aborto Elétrico foi a semente que deu origem à Legião Urbana e ao Capital Inicial.

Ele gostava de The Cure,The Smiths, Joni Mitchel.

 À frente da Legião, que contou com o baixista Renato Rocha entre 1984 e 1989, Renato Russo atingiu o auge de sua carreira como músico, criando uma relação com os fãs que chegava a ser messiânica (alguns adoravam o cantor como se fosse um deus). Os mesmos fãs chegavam a fazer um trocadilho com o nome da banda: Religião Urbana/Legião Urbana. Renato desconsiderava este trocadilho e sempre negou ser messiânico.




Bissexual assumido, Renato morreu devido às complicações causadas pela AIDS.

 Onze dias após a morte do cantor, Dado Villa Lobos e Marcelo Bonfá, ao lado do empresário Rafael Borges, anunciaram o fim das atividades do grupo.

 E tenho que admitir que quando fui avisado por um amigo, da morte de Renato (ele me liga e pergunta se eu sabia da tragédia), o chão faltou. A ausência dele é sentida até hoje. Pena que a nova geração, tão carente de referências culturais não teve a oportunidade de apreciar a banda enquanto estava na ativa. Mas nunca é tarde. Todos os discos oficiais, os shows, acústico, gravações raras, entrevistas (a que foi concedida à MTV é emblemática), enfim, não faltam opções para quem queira conhecer um dos maiores nomes da nossa música. Sim,porque o trabalho de Renato Russo,Dado Villa Lobos,Marcelo Bonfá e Renato Rocha (por um tempo)transcende o rock.




Estima-se que a banda tenha vendido cerca de 20 milhões de discos no país durante a vida de Renato. Mais de uma década após sua morte, a banda ainda apresenta vendagens expressivas de seus discos pelo mundo.

  Não publiquei nada no dia 11/10, exatamente por não gostar do dia.  Um dia triste para os que apreciam a boa música. E como disse o próprio Renato em uma de suas composições (Love in the Afternoon): ”É tão estranho, os bons morrem jovens; assim parece ser como me lembro de você, que acabou indo embora... Cedo demais...”








2 comentários:

  1. É mesmo uma orfandade que dói. Parece que algo tão bom de ver e ouvir teria sido um sonho do qual não se quer acordar....E acordado que estamos, já não os temos
    Lídice

    ResponderExcluir
  2. Verdade Lídice. assino embaixo o que voce disse. Faz uma falta danada essa banda. Um abraço

    ResponderExcluir