Follow by Email

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

O EFEITO RUSSOMANO E OS CAVALOS PARAGUAIOS






Na verdade, acabou se tornando uma espécie de “cavalo paraguaio” a candidatura de Celso Russomano. Bastou crescer nas pesquisas para conseguir o inimaginável : unir os rivais em torno de um único objetivo,que era derrubá-lo do topo das pesquisas. Isso, somado ao fato de a associação com a Igreja Universal ter sido explorada ao máximo. Haja vista que em sua participação no SPTV, a entrevista (tendenciosa, como sempre) se transformou num palanque ‘anti-Universal’ (todos sabem das desavenças entre Globo e Record). O candidato à prefeitura teve que aguentar perguntas sucessivas sobre a igreja e nenhuma sobre plataforma de governo.
Não estou dizendo que ele deveria ter chegado ao segundo turno, na corrida ao executivo paulistano, mas que São Paulo merecia uma “Terceira Via”. Não Russomano, mas alguém que trouxesse um vigor a um cenário tão contaminado por dois partidos carcomidos pela corrupção: PSDB e PT. E o segundo turno promete ser um festival de baixarias e vale tudo sem igual.Pobre São Paulo,pobre paulistano...





CAVALO PARAGUAIO 2

Em Curitiba, o filho do apresentador Ratinho (SBT), o Júnior, conseguiu se tornar um ‘Russomano que aparentemente deu certo’. Mas no segundo tempo, tem tudo pra ver sua candidatura ser combatida por todos os rivais juntos (aqueles que perderam no primeiro turno). Talvez isso sirva para que ele entenda que usar nome famoso para alçar voos mais altos não é a coisa mais inteligente a se fazer. O tempo dirá.



CAVALO PARAGUAIO 3

Claramente o PT saiu perdendo nas eleições. Os sustos nas urnas foram um claro sinal de que as pessoas estão querendo, ou que o partido mude (adotando um ar ‘honesto’) ou admita publicamente suas faltas graves, extirpando os membros atingidos pelos sucessivos escândalos. Como as duas situações estão fora de cogitação, resta esperar que o STF termine de julgar os mequetrefes envolvidos no Mensalão, a tempo de causar danos aos demais candidatos em disputa no 2º turno, mostrando que em casos assim, a impunidade não pode passar em brancas nuvens. Já que a principal figura ainda acredita que as pessoas o veem como uma figura messiânica, portanto sem o mínimo contato com a realidade, o jeito é contar com Joaquim Barbosa e sua vontade extrema de fazer justiça.


CAVALO PARAGUAIO 4




Pobre Rio de Janeiro... Reeleger Eduardo Paes foi um claro sinal de desconhecimento de causa, ou de profunda preguiça mental. Depois de toa incompetência, todos os escândalos de desvio de verba pública da área da saúde, educação, para as obras da Copa do Mundo, de todo o desdém pela população carioca e da suspeita de compra de apoio político às vésperas da eleição, ainda sim conseguir ser eleito, parece escárnio... Isso, numa cidade carente de tantas coisas básicas (como toda grande metrópole).Enquanto isso,na periferia...
Lembrando que o prefeito reeleito Eduardo Paes (PMDB) obteve cerca de 45% do total de votos nas eleições.Portanto,nem de longe ele foi eleito pela maioria. Muito ao contrário.


Nenhum comentário:

Postar um comentário