Follow by Email

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Moral em concordata

                         



O,por enquanto,ministro do Desenvolvimento Fernando Pimentel,de passagem pelos EUA e para uma platéia de ricos e mais ricos na maior feira de varejo do mundo voltou a decepcionar.Defendeu uma antiga bandeira dos ultra-maxi-mega-super empresários brasileiros:a flexibilização dos direitos trabalhistas.

Talvez empolgado com a platéia,o ministro,de aviso prévio (não caiu ainda,mas é só uma questão de tempo) disse que esse é o momento de ajustes.“Vamos adaptar um segmento da lei que vai permitir mais trabalho",disse ele,sem especificar o quê exatamente.E disse mais:“As propostas feitas pela classe empresarial preservam os direitos que os trabalhadores".Será?

Pimentel finaliza:“Podemos avançar nesse campo sem comprometer um único direito trabalhista já conquistado”, sem dar maiores detalhes a que se refere.Amigo pessoal da presidenta Dilma(militaram juntos em organizações que combatiam o regime militar,como a VAR),o ministro do Desenvolvimento vem tendo dificuldades para se explicar sobre o suposto escândalo envolvendo os ganhos de sua consultoria e as relações de seus clientes com a Prefeitura de Belo Horizonte, e pra piorar ainda coloca o governo numa saia justa ao se pronunciar sobre um tema tão nevrálgico.Não que o executivo não cogite isso.Ao contrário.Agradar mégalo-empresários,potenciais investidores de campanhas é sempre salutar.

O que não pega bem é ,em ano eleitoral falar sobre algo que irá,possivelmente prejudicar os trabalhadores(não há como agradar gregos e troianos) quando a fraca oposição anda tão sem munição --ou não sabe o que fazer com ela.Em off é uma coisa.Para a plebe é sempre bom dizer que o neo-PT ainda lembra dos trabalhadores,ainda que seja só pra ganhar o jogo eleitoral.


Nenhum comentário:

Postar um comentário