Follow by Email

sábado, 26 de maio de 2012

MOMENTO DR. HOUSE (FACEBOOK)






















   Mistura de exímio hacker com blogueiro de quinta,o nerd Mark Zuckerberg criou um império a partir de suas frustrações juvenis,fazendo de uma aparentemente modesta rede social misógina de Harvard,uma das mais influentes do século XXI.

Seus conhecimentos em informática foram muito úteis na popularidade do Facebook,se diferenciando das outras redes similares.As apresentações para divulgar as novidades da empresa plagiavam as de Steve Jobs,na Apple,mas sem o talento,o carisma e a criatividade do mesmo.Ainda sim,o sucesso estava se consolidando.Com tudo isso,chegar à Bolsa de Valores,seria um fato inevitável.

Houve preparação,tempo hábil e publicidade suficiente para tal feito.Então,como explicar a supervalorização das ações do Facebook pelo banco Morgan Stanley, principal coordenador da oferta pública inicial de ações, que levou muita gente  a perder dinheiro(excetuando alguns gatos pingados,como o próprio Mark)?

    Segundo o site BBC Brasil :"

As ações do Facebook são negociadas na Nasdaq, a bolsa eletrônica dos Estados Unidos, sob a sigla FB.
A empresa levantou US$ 16 bilhões (R$ 32 bilhões) com sua oferta pública de ações, ao vender 421,2 milhões de papéis, a US$ 38 cada.
Detalhes sobre a flutuação dos preços das ações levaram duas agências reguladoras americanas do mercado financeiro, a SEC e a Finra, a suspeitarem que o Morgan Stanley possa ter favorecido alguns grandes acionistas antes da estreia da empresa na Nasdaq.
Após a queda nos primeiros dias, as ações do Facebook registraram leve recuperação nesta quarta-feira, e fecharam o dia em alta de US$ 1, no valor de US$ 32, ainda bem abaixo dos US$ 38 iniciais."

 Há algo de errado em Wall Street,mas poucos se atrevem a falar abertamente sobre o caso,temendo um eventual controle do governo,tentando regular o mercado(coisa que assusta,e muito,os investidores).

  De qualquer forma o Facebook irá se manter com sua popularidade em alta,mesmo com alguns arranhões em sua imagem (não seria a primeira vez...),muito pelo fato de não haver concorrência a altura nessa seara (a das redes sociais)e pelo oportunismo de Zuckerberg,que fez de uma rede social,que servia a seus propósitos egoístas(maquiando seu isolamento,seu problema em interagir com os outros estudantes de Harvard,suas dificuldades com as garotas,os sonhos de grandeza e a necessidade de provar que era o melhor em alguma coisa,como que para compensar sua alienação da sociedade),uma ferramenta quase que obrigatória para milhões de pessoas ao redor do mundo se conectem.Pra ser mais exato,para quase um BILHÃO de pessoas.É gente demais concordando com sua obra.Mas ainda sim, não são maioria.



Nenhum comentário:

Postar um comentário