Follow by Email

quarta-feira, 2 de abril de 2014

A MARCHA DOS INGÊNUOS, SEM DEUS E CONTRA A LIBERDADE



Passado o período conturbado do fim de março, início de abril, quando os ânimos se exaltam pela lembrança do tétrico momento que foi a ditadura militar, cabem algumas reflexões.

50 anos se passaram e algumas pessoas não aprenderam com o tempo. Alegando combater a “invasão comunista”(!!) no Brasil, cidadãos desavisados e mal informados começaram, há alguns meses uma campanha para ressuscitar a malfadada MARCHA DA FAMÍLIA COM DEUS PELA LIBERDADE. 



O “movimento” ganhou eco, inclusive na mídia corrompida, com pseudojornalistas fazendo campanha descarada pela manifestação.

Resultado: meia dúzia de gatos pingados pelo país afora. No cômputo geral, nem 700 pessoas foram às ruas para demonstrar apoio ao regime militar (1964-1985) e pedir um novo levante.



O que há de errado com essa gente? Alienação ou são apenas idiotas úteis?

A história é cíclica e deveria deixar lições. Mas muitos têm memória curta, daí frases esdrúxulas como: “não havia corrupção naquela época”, “vivia-se melhor” e “a educação era mais valorizada”. Impropérios que acabaram colando em mentes tacanhas e ganhando espaço nas redes sociais, inclusive entre meros adolescentes, que nem sequer haviam nascido quando a ditadura ACABOU.


                         (Marcha da Familia em Recife)

O golpe de 64 sairia de qualquer jeito. Desde que o infiltrado Cabo Anselmo começou a agitar as coisas durante o motim dos marinheiros iniciado em 1961, o plano estava em curso. Meticulosamente preparado para levar os militares ao poder. As posições sociais de Jango eram outro fator que causava ranger de dentes entre os chefes das Forças Armadas brasileiras. O governo americano viu a oportunidade de desbancar Goulart. Deu suporte logístico para que isso fosse instaurado. 

A mídia vendida ao sistema, capitaneada pelo jornal O Globo, vendia a ideia de que teríamos uma ditadura comunista. A simples menção dessa palavra fazia com que a sociedade conservadora tremesse nas bases, mesmo sem saber exatamente o que significava.


                   (Meia dúzia de manifestantes em BH)

Com a imprensa-empresa massificando, a classe média foi as ruas, com o apoio de empresários e da Igreja Católica. Era a demonstração pública que os militares queriam. Isso legitimava o golpe, chamado, de maneira cafajeste, de “revolução”.

O regime que fechou o Congresso, rasgou a Constituição, privou os direitos dos cidadãos, sequestrou, torturou e matou a bel prazer. Somente quando as mortes atingiram a classe média, padres, freiras e jornalistas é que todo mundo percebeu a burrada que cometeu.


                   (16 pessoas em Campo Grande/MS)

E algo de tamanha magnitude seria plausível supor que não poderia voltar à nossa realidade. Mas ainda há um ranço da ditadura que permeia parcela ínfima da população.

A revolta dos conservadores é contra o PT. Supõem, erradamente, que o partido é de esquerda e que quer instaurar o comunismo por aqui. A rebeldia destas pessoas se mostra equivocada. Bastaria um exercício simples de raciocínio lógico para que esse argumento sem nexo fosse refutado. 

Os incautos, geralmente pessoas pretensamente informadas, mas apenas alienadas do mundo que as cercam, olham para o momento da política brasileira e vêem apenas o "vermelho". Que aqui há uma "ditadura comunista" em andamento. Que na América do Sul há ditadores sanguinários que instituíram regimes totalitários, como os de Stálin. Não há o que dizer para estas pessoas para dissuadí-las de tamanho engôdo em que forma levadas a crer; talvez pelo longo período expostos ao mal jornalismo de Veja, Estadão e Globo as fizeram olhar, mas não enxergar. O emburrecimento da chamada classe média é notório. E até por essa ausência de senso crítico, optaram por satanizar o que não entendem. "Narciso acha feio o que não é espelho", como diria Caetano Veloso.

Canalizaram suas frustrações em certos políticos e contra o PT. Não obstante os inúmeros escândalos de corrupção que acometem o partido, mas e quanto aos demais? Só há improbidade no Partido dos Trabalhadores? Isso é prova cabal de ignorância plena. E essa ignorância tem feito pessoas a lamentar o fim do regime militar e a ansiar por um 'revival'. Sério? Essa é a "brilhante" solução? 

Por acaso eles entendem que o golpe militar, por qual tanto anseiam, acabaria com seus direitos? Censuraria a internet? Desrespeitaria os conquistas garantidas na Carta Magna? Coibiria manifestações de qualquer tipo? Expressar opiniões? Nunca mais.

Se acham que determinado governo não está de seu agrado por que não tentar mudar as coisas por via democrática? Podem e devem votar melhor, tentar convencer seus pares a fazer o mesmo, divulgar campanhas, fazer parte de debates públicos e, conseguinte, conscientizar os brasileiros.

Preferem satanizar um partido, em vez de tentar um embate ideológico. Fogem do caminho da democracia para se esconder atrás de uma solução rasteira, que é o golpe contra um governo eleito de maneira legítima. 

Marcha da Família esvaziada no Recife

Marcha da Família reúne nove pessoas em Natal

Quem são os organizadores da nova Marcha da Família com Deus pela Liberdade?

Com 50 participantes em BH, Marcha da Família fracassa ao pedir intervenção militar


Por acaso não sabem estes alienados que não que eleições livres são conquistas e que seriam vilipendiadas em uma eventual tomada de poder à força? 

Se um governo militar fosse a salvação para a sociedade, por que nunca tentaram a via eleitoral? 

A pobreza intelectual dessas pessoas não os faz perceber que a democracia é que lhes dá o direito de ir às ruas protestar contra um governo eleito democraticamente e pedir um golpe de estado. Usam os meios de um mundo livre para implorar por um totalitarismo arcaico.

Acho que foi o jornalista Leonardo Sakamoto que escreveu: "Anos e anos de bombardeio midiático deixam robotizadas as pessoas de mente mais frágil. A desinformação generalizada, as denúncias fabricadas, as mentiras grosseiras como FARC, dinheiro pra Cuba, filho do Lula, somam-se a denúncias políticas sem cabimento e fazem a cabeça dos leitores de manchetes. Ou leitores de débeis mentais como Olavo de Carvalho, como o cidadão da foto. É a criação de um lamentável subproduto, igual ao crack com a cocaína, que faz pessoas babarem, gritarem e pedirem uma ditadura para a sua própria pátria, chicote para o próprio lombo." E não está longe da realidade. um retrato fiel do atual cenário político nacional.

Estes brasileiros podem se revoltar com o estado de coisas em que nos encontramos. Mas de maneira racional, sem saltos, sem atitudes baixas. Nada que levasse a nação a uma guerra civil.



Em 2013, por melhores condições de transporte público, foram às ruas milhões de pessoas. O que aconteceria se as Forças Armadas derrubassem o Executivo, com apoio de setores da sociedade conservadora? Seria um espetáculo dantesco. E as futuras consequências destes “protestos” irresponsáveis é que são ignoradas pelos reacionários de plantão.

A pior das democracias ainda é infinitamente melhor do que um regime totalitário. 

Pelo visto, passado meio século da primeira MARCHA, e algumas pessoas ainda não aprenderam a lição. Quem sabe, daqui a cinquenta anos...



Nenhum comentário:

Postar um comentário